Índice de Notícias

Cães
Gatos
Todos
Translate
Traducir
Temas Pet
Boletim Eletrônico - N° 144 - #3
-
Homenagem Pet - Acenda uma Vela para seu Pet

Caso de leishmaniose põe Saúde em alerta e

Equipes ainda aguardam confirmação de exame que revelará se a doença está em sua forma mais grave; humanos podem ser contaminados

Danielle Gaioto
Agência BOM DIA

A identificação de um cão contaminado pela leishmaniose tem colocado os órgãos de Saúde em alerta máximo. A doença, nunca identificada na cidade em sua forma mais perigosa, pode afetar também os humanos e levar inclusive à morte.

O cão afetado pela doença está no distrito de Padre Nóbrega, que vem passando por uma série de bloqueios da divisão de zoonoses. O animal teve o diagnóstico positivo para a doença e a Saúde aguarda agora o resultado do exame que mostrará se a leishmaniose é cutânea (forma mais leve) ou visceral.

“Estamos fiscalizando, mas precisamos aguardar o resultado dos exames, sem o qual não podemos tomar nenhuma medida mais drástica. Caso o resultado seja positivo para leishmaniose visceral, muitos procedimentos como forma de barrar o avanço da doença precisarão ser efetuados”, explica o coordenador da divisão de zoonoses, Lupércio Garrido.

A coleta de sangue dos cães começou no início do ano em Marília, depois que o vetor da doença, o Phlebotomus, o mosquito-palha, foi identificado em circulação na cidade. Desde então, foram retiradas amostras de sangue de 78 animais que poderiam estar contaminados, mas todos os outros resultados foram negativos.

Se transmitida ao humano, a leishmaniose, em sua forma mais branda, pode causar lesões nas mucosas, como boca e nariz. Já na leishmaniose visceral são afetados órgãos internos, principalmente baço, fígado e medula óssea. 

Alguns sintomas compatíveis com a leishmaniose são emagrecimento acentuado e lesões em torno de orelhas e olhos, mas apenas a ação do veterinário pode dar o diagnóstico mais preciso.

O coordenador do setor de zoonoses, Lupércio Garrido: “Caso de leishmaniose grave nunca foi registrado em Marília”O coordenador do setor de zoonoses, Lupércio Garrido: “Caso de leishmaniose grave nunca foi registrado em Marília”





















Fonte: Bom dia - Diário de S.Paulo  - Publicado neste site em 04/05/2011

- Temas Pet é enviado a pessoas cadastradas ou indicadas. Se não deseja recebê-lo, ou considere que foi cadastrado indevidamente descadastre-se aqui