Índice de Notícias

Cães
Gatos
Todos
Translate
Traducir
Temas Pet
-
Homenagem Pet - Acenda uma Vela para seu Pet
Descubra o que é terapia assistida por animais
Cães, gatos, aves e cavalos treinados podem ajudar a tratar de paralisia a depressão


DivulgaçãoDivulgação

Aves podem ajudar a tratar de idosos com problemas motores


Quem diria que o simples contato com um animal - devidamente adestrado e acompanhado por profissionais responsáveis - pode melhorar a vida de portadores de enfermidades tão diversas quanto alergia, depressão, paralisia cerebral, câncer, autismo, Alzheimer, síndrome do pânico, Parkinson, transtorno do déficit de atenção e esquizofrenia?
 
Cães, gatos, aves, cavalos e até répteis podem ser utilizados para auxiliar o trabalho de fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, enfermeiros e médicos. A iniciativa, quando empregada sistematicamente, é chamada de TAA (Terapia Assistida por Animal). Já quando as visitas são esporáticas, mas realizadas sob os mesmos moldes, recebe o nome de AAA (Atividade Assistida por Animais).
 
Há três anos, os cães fazem parte da equipe de profissionais que atuam junto a uma parte dos pacientes da Avape (Associação para Valorização da Pessoa com Deficiência), em São Bernardo do Campo (Grande ABC). A iniciativa partiu de uma psicóloga da entidade e foi aprovada pela gerente do local, Simone Senna:

- Os cães são empregados principalmente quando há uma dificuldade do paciente em aceitar o tratamento, funcionam como uma ponte até o fisioterapeuta, o psicólogo. Percebemos que a participação do animal acelera o processo terapêutico.
 
Klayton Giordani, psicólogo da instituição, enumera outros benefícios da interação entre os bichos e seus pacientes:
 
- A partir do contato com os animais, observamos a melhora na postura física e na capacidade motora de crianças com paralisia cerebral. Ao pentearem o pelo do cão, por exemplo, elas estão fazendo exercícios de fisioterapia. Os animais também são eficazes para aumentar a autoestima e a sociabilidade dessas pessoas, que estão mais acostumadas a receberem comandos do que a darem ordens.
 
Mas a prática envolve certos cuidados. Para se tornar um 'terapeuta', o animal não pode apresentar nenhum traço de agressividade e passar por um adestramento específico. Além disso, devem ser examinados por um médico veterinário, vermifugados e estar com todas as vacinas em dia, de banho tomado e unhas cortadas, avisa a psicóloga Roberta Araújo, do Projeto Pelo Próximo, do Rio de Janeiro. Entre os locais visitados pelos 17 cães e pelas três aves do programa, está a Obra Social Dona Meca, no bairro carioca de Jacarepaguá.
 
- O bicho tem de ser dócil a ponto de não revidar nem mesmo a um gesto agressivo, o que é até bastante comum de acontecer na interação com pacientes de Alzheimer e de autismo. Nesses casos, a única reação aceitável é se afastar para não ser agredido novamente. Mais do que isso, o animal deve ter um olhar muito amoroso para com aquele que o agrediu.
 
Além da área da saúde, há outros ambientes de trabalho para os voluntários do reino animal, afirma a adestradora e consultora comportamental Tatiane Ichitani, do Cão Cidadão:
 
- Podem ser utilizados também em escolas, pois ajudam crianças com dificuldade em aprendizado, entre outras situações.



Fonte: R7 Notícias - Publicado neste site em 21/06/2011




VEJA TAMBÉM:
Estudo alerta que tratar cão como filho pode levar a distúrbio psicológico
Lares de Santa Catarina têm mais gatos e menos cachorros do que há sete anos
Cães robôs participam em exercício militar e são os soldados do futuro
Gato que se coça sem parar: o que fazer?
Por que alguns cachorros comem tão rápido?
Ossos de 20 mil anos podem ser de cão de estimação mais antigo do mundo
Quais são as plantas venenosas para cães e gatos?
Número de cães e gatos no Brasil deve chegar a mais de 100 milhões em 10 anos
Curiosidades sobre cachorros - 22 fatos sobre os animais domésticos
Curiosidades sobre gatos - 60 fatos sobre vida e hábitos dos felinos
- Temas Pet é enviado a pessoas cadastradas ou indicadas. Se não deseja recebê-lo, ou considere que foi cadastrado indevidamente descadastre-se aqui