Índice de Notícias

Cães
Gatos
Todos
Translate
Traducir
Temas Pet
Boletim Eletrônico - N° 331 - #3
-
Animal Manager, essencial para os negócio.
Zooterapia com cão para deficiência visual
Clique para Ampliar

Janedson Braga perdeu a visão há seis anos. Pela primeira vez, caminhou nas ruas de Fortaleza acompanhado de um cão. A Golden, Lila, é adestrada para a zooterapia voluntária
JOSÉ LEOMAR

Clique para Ampliar

Antônio Jaime, adestrador da Golden, e Lila, acompanham Janedson no semáforo da Av. Antônio Sales, descendo batentes de uma lanchonete e cruzando calçada com obstáculos na Rua João Brígido

Clique para Ampliar

Clique para Ampliar


Se você vir pelas ruas de Fortaleza um cão guiando um cego, trata-se de um projeto experimental voluntário

Fortaleza. Uma experiência de zooterapia para portadores de deficiência visual pode ser vivida nas ruas da Capital. O adestrador Antônio Jaime preparou a sua Golden Retriever, Lila, para passear, como se fosse um cão-guia, de forma voluntária junto ao público-alvo. São poucos Estados no Brasil que possuem cães-guias. A formação oficial para este tipo de trabalho exige certificação internacional. No País, a lei 11.126/2005 e o Decreto-Lei 5.904/2006 versam sobre o assunto. O Projeto Cão-Guia, no Distrito Federal, é pioneiro na iniciativa e já concedeu 39 cães para cegos. Desse total, 29 estão em Brasília, e 12 distribuídos nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

A Golden Lila tem quase 3 anos e quando fez o primeiro ano de idade, começou a ser treinada. Jaime assistiu a vídeos e leu textos sobre a formação e realizou método próprio de adestramento. Mesmo sabendo que seu animal não tem a formação oficial, diz que seu objetivo é oferecer, voluntariamente, atividades de zooterapia para os cegos. Porém sua meta maior é se qualificar ainda mais na atividade, fazendo um curso internacional na França para o trabalho. Contatos para isto ele já está mantendo.

Durante a reportagem, Jaime demonstrou a capacidade de Lila junto a Janedson Braga, massoterapeuta que perdeu a visão há seis anos, após dois AVCs. Janedson aprendeu a se locomover com bengala após formação no Instituto dos Cegos do Ceará. Já no passeio com a Golden, disse que só teve emoções positivas. 'Não senti medo. Dá uma sensação de liberdade muito boa. A Lila é muito obediente. Pensei que fosse levar muitas topadas, mas não aconteceu', afirmou, após andar acompanhado pelo cão e por Jaime em ruas do bairro Dionísio Torres. Ele passou por diferentes obstáculos, como subir e descer calçadas, atravessar ruas e parar e seguir na faixa de pedestres.

Jaime se coloca à disposição dos interessados para outros passeios com a sua Golden. Além da guia, a cadela traz o cabo condutor, marca principal de um cão-guia. Ele destaca que o animal está capacitado para fazer movimentos como desvio de obstáculos terrestres e aéreos, passagem de semáforos, travessia de ruas.


Formação oficial

A coordenadora do Projeto Cão-Guia, no Distrito Federal, Maria Lúcia Campos, diz que a ONG está formando de três a quatro animais para a companhia de portadores de deficiência visual no País. Até dezembro, estará entregando três cães, e um quarto animal para reposição de outro que se aposentará da atividade. A entidade trabalha somente com a raça Labrador. O custo de formação para cada um fica de R$ 27 mil a R$ 30 mil. O projeto realiza campanha de arrecadação financeira, para viabilizar a preparação de mais animais a cada ano.

Mais de 100 deficientes visuais integram lista de espera. A ONG suspendeu novas inscrições, diante da oferta não acompanhar a demanda crescente. Mesmo assim, mantém um email para cadastro, que ainda não representa uma inscrição. Lúcia diz que, futuramente, havendo condições para aumentar a quantidade de animais habilitados, esse cadastro pode valer como uma inscrição. Já são cerca de 250 nomes cadastrados.

O Projeto Cão-Guia tem sede vizinha à Academia do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Os seis treinadores da entidade são cedidos pela corporação militar. Este é o único apoio público recebido pelo projeto. Para ser uma escola habilitada no trabalho, segundo explica Lúcia Campos, deve haver ao menos um instrutor com a certificação internacional.

A etapa de formação dos Labradores começa desde filhote. De dois meses a um ano, o cão fica numa família hospedeira, com orientações de um treinador da ONG para ensinar ao animal os comandos básicos de obediência. Depois, fica de um a dois meses na sede do projeto, para passar pelo que Lúcia chama de 'teste vocacional' e 'vestibular'. O Labrador passa por uma bateria de exames médicos para prevenção e controle da displasia, exames cardíacos, visão, audição, entre outros cuidados.

Uma vez classificado nesta etapa, o Labrador vai fazer a 'faculdade'. De seis a oito meses, ainda na sede do projeto, ele passa pelo treinamento específico. Aprovado nesta fase, passa mais de um a dois meses em período, na revisão de todo o aprendizado.

Somente após toda esta preparação, estará apto para ser apresentado ao novo dono. Nesta etapa, a adaptação média chega a 20 dias. O cão é escolhido de acordo com o tipo de cegueira da pessoa. É quando o portador de deficiência visual fica hospedado no alojamento do próprio projeto, para estabelecimento do primeiro vínculo com o cão.

Uma vez formada a dupla, segue para a cidade de origem do usuário, caso seja fora de Brasília. Por mais uma semana, os dois passam pela adaptação local, com o acompanhamento do treinador do Projeto Cão-Guia.


Fique por dentro 

Campanha de apoio

O projeto Cão-Guia, de Brasília, é pioneiro no País na formação de cães para acompanhar portadores de deficiência visual. O custo para habilitação de um animal para este tipo de trabalho varia de R$ 27 mil a R$ 30 mil. Por ano, são entregues de 3 a 4 cães. Uma vez formados, eles são concedidos aos cegos, como forma de preservar os direitos dos animais. A entidade precisa de apoio financeiro no trabalho. Interessados em apoiar a causa podem fazer depósitos no Banco do Brasil, agência 1004-9, conta corrente 41.225-2.

MAIS INFORMAÇÕES 

Em Fortaleza, Antônio Jaime, (85) 9155.8573; Em Brasília, Projeto Cão Guia (61) 93090100
caoguiadf.cadastro@gmail.com


Valéria Feitosa
Editora


Fonte: Diário do Nordeste - Publicado neste site em 21/09/2011



- Temas Pet é enviado a pessoas cadastradas ou indicadas. Se não deseja recebê-lo, ou considere que foi cadastrado indevidamente descadastre-se aqui